segunda-feira, 14 de maio de 2012

16 de Maio, dia do fundador



Pe. Januário Baleeiro, ocs
* 15/ 9/ 1922
+ 16/ 5/ 1991




Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, nasceu na Vila de São José do Uará, Município de Fonte Boa, Estado do Amazonas, aos 15 de setembro de 1922, filho de Joaquim Coelho da Silva e de Antônia Baleeiro da Silva. 
Porque nasceu prematuro, foi batizado logo no dia do seu nascimento. Foi ordenado Sacerdote na Catedral de Na. Sra. De Nazaré, em Belém do Pará, aos 8 de dezembro de 1945, por imposição das mãos de Dom Mario de Miranda Vilas Boas e até o ano de 1955 foi Capelão militar  na base aérea de Valdecãs, próxima à Belém. 

Aos 25 de março de 1955 fundou em Lagoa Santa, Arquidiocese de Belo Horizonte, a Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, com a paternal assistência de Dom Antonio dos Santos Cabral, Arcebispo de Belo Horizonte e apoio do então Arcebispo de São Paulo, Cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, que sempre se mostrou cheio de entusiasmo pelo carisma e ideais da Congregação. Tanto o saudoso Dom Antonio dos Santos Cabral, como o querido e santo Cardeal Motta receberam a carinhosa assistência de nossos Irmãos, por longos anos, até a sua entrada na eternidade.

Nos anos 1962-1964, Pe. Januário Baleeiro foi o Secretário dos Negócios da Educação e Cultura do Governo do Estado de São Paulo e contribuiu concretamente para a criação de novas escolas em todo o Estado e a instituição de Bolsas de Estudo para Seminaristas e Casas Religiosas.

Pe. Januário Baleeiro não apenas tem o mérito de ter fundado na Igreja a nossa Família Religiosa, mas foi para todos nós, modelo de apaixonado amor a Cristo Sacerdote, presente na SSma. Eucaristia, como também de entusiasmo e fidelidade a toda prova à Igreja, ao Santo Padre, o Papa e de terno e filial carinho para com a Mãe de Deus, a Virgem das Vitórias, ao glorioso São José, aos Santos Arcanjos. Foi esta piedade que pôs em relevo em nossas Constituições e imprimiu na tradição de nossa Congregação, até o dia em que o Senhor quis chamá-lo para a pátria dos Bem-aventurados. 

Em meados de novembro de 1990, quando vinha de Brasília para São Paulo, foi vítima de um acidente à altura de Orlândia. Como conseqüência deste acidente, formou-se um hematoma junto à nuca, ao qual os médicos não deram tanta importância. Provavelmente foi esta uma das causas do derrame cerebral que o acometeu no dia 8 de dezembro do mesmo ano. Começou assim o calvário de sua preparação para a entrada na Casa do Pai. Tudo aceitou com amor e generosidade, sofrimento sobre sofrimento. Às 22 horas do dia 16 de maio de 1991, entregou a sua bela alma a Deus. Os fiéis da Paróquia Nossa Senhora de Fátima de Taguatinga Sul, tendo à frente o Cardeal Dom José Freire Falcão, Arcebispo de Brasília, prestaram-lhe as últimas homenagens e, em seguida, o seu corpo foi trasladado para a nossa Casa Geral, onde aguarda a ressurreição na Capela da Sagrada Face, à direita de quem entra em nossa Igreja. Temos a certeza de que o nosso Fundador, que tanto sofreu pela nossa Família Religiosa, agora “está trabalhando”, mais que nunca, pelo progresso, principalmente espiritual da Congregação, pela solução dos problemas que a afligem e pelo aumento de santas e perseverantes vocações, podendo assim, realizar plenamente seus carismas no seio da Santa Igreja.