sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Finados - Ato de Esperança



ATO DE ESPERANÇA

Senhor Jesus Cristo, tu és nossa esperança, agora e na hora de nossa morte!
Contagiados pela tua palavra, aguardamos a vida nova que
irá brotar de nossas cinzas. Pois acreditamos que a morte é a passagem do nosso ser, de um corpo perecível, para um corpo marcado com o selo da imortalidade.
Sabemos, Senhor, que este velho corpo não pode sobreviver, já
que foi construído aqui na terra. Esperamos por outro que jamais perecerá, já que é construído no céu: à semelhança daquele que tu mesmo ganhaste ao ressuscitar, primícias da nova humanidade, que por ti vive e por ti espera.
Esta “passagem” é mistério incompreensível para nós. Mas é mistério de esperança, não de tristeza; mistério de vida, não de morte. Mistério que dá sentido a nossa existência humana, nosso peregrinar e sofrer por este mundo.
Como tu mesmo disseste, Senhor, toda semente jogada no chão, acaba apodrecendo. Depois, porém, volta à luz do sol, de roupagem nova e cores festivas.
Se a erva do campo e as flores do jardim apodrecem e renascem, por que o homem, uma vez ferido pela morte, 
não poderia também levantar de novo?
Ao espalhar a semente pela terra revolvida, o camponês anda firme na esperança de que ela voltará de novo à luz trazendo alimento à mesa e alegria ao coração.
Mas nossa esperança de renascer para a vida nova é mais fundamentada que a do semeador. Porque ele se baseia nas leis da natureza, nós nos fundamentamos em ti, Senhor: em tua Palavra, em tuas promessas, em tua vitória sobre a morte...
Obrigado, Senhor, pela esperança que semeaste em nosso coração, primeira flor de sua ressurreição! Se, com efeito, sem ela seria terrível enfrentar a vida, mais terrível seria enfrentar a morte!


Pe. Virgílo, SSP